Bem Vindos ao Novo Tempo

Tempo de leitura: 12 minutos

O Sincronário de 13 luas/28 dias se chama ‘sincronário’ porque tem a função de unir (sin) no tempo (cronos), através de uma conta de dias que é profundamente muito mais que um mero registro linear de acontecimentos ou um programa para pagar impostos e contas ao início de cada mês (‘calenda = livro de pagamento de impostos’).

O Sincronário é um instrumento de brilhante simplicidade que serve para reformular a mente mecanizada do ser humano atual para uma percepção holística e cósmica da realidade, nos preparando para a seguinte etapa evolutiva, a Noosfera – esfera mental planetária.

Mudar o calendário gregoriano pelo sincronário é alterar a percepção do tempo. Retornar ao Tempo Natural – Biosférico – e entrar aos códigos sincrônicos é retornar à constante transformação criativa, ao tempo de qualidade para a alma.

Nos cabe fazer um esclarecimento. Comumente, a compilação de informações que é apresentada pelo sincronário, é chamada de ‘calendário maia’ ou ‘horóscopo maia’, estando estas denominações completamente equivocadas. É correto afirmar que a Lei do Tempo é uma informação que nasce de sementes maia-galácticas e que o Sincronário de 13 luas/28 dias é uma nova ferramenta do tempo que não pertence a nenhuma tradição em particular mas tem o propósito de unificar-nos espiritualmente, transcendendo as fronteiras de países, religiões e credos, tendo em sua compilação as mais variadas fontes e esferas do conhecimento humano, planetário e galáctico.

Foi desenhado para nos ajudar neste momento particular da evolução do planeta e não tem o propósito de adivinhar traços superficiais da personalidade. Sendo uma ferramenta de transformação total, de acordo aos atuais requerimentos evolutivos do ser planetário.

Que esta ferramenta te sirva como uma inspiração para te reencontrar com o tempo sagrado à medida que recupere tua memória cósmica!

Sincronário de 13 luas /28 dias

O Sincronário de 13 luas é uma medição de tempo baseada nos ciclos naturais. A lua gira 13 vezes ao redor da Terra em um ano ou um giro da Terra ao redor do Sol. Esta medida de tempo é regular porque cada lua (mês) tem 28 dias. 13 luas/28 dias é uma medida de tempo biológica. 28 dias é o bio-ritmo emocional, o ciclo feminino e biosférico.

O Sincronário de 13 luas/28 dias é parte de uma lei universal – a Lei do Tempo -, que se tornou consciente durante as investigações dos códigos matemáticos dos calendários da Cultura Maia e da Ciência Cósmica.

O que é a Lei do Tempo?

“… o tempo é um tópico tão vasto e importante na orientação da consciência humana dentro da biosfera, que podemos declarar que é o principal entre todos os assuntos humanos.” (José Arguelles, Tempo e Tecnosfera, capítulo 3)

A Lei do Tempo é a base do conhecimento do tempo. Sua principal aplicação prática é o Sincronário de 13 luas/28 dias.

A Lei do Tempo se expressa na proporção matemática 4:7::7:13.

Cada lua tem 4 semanas perfeitas de 7 dias e, 13 luas de 28 dias + 1 formam o ciclo solar de 365 dias. No Sincronário nos tornamos conscientes das seguintes ordens de tempo:

  1. Ordem cíclica – ciclo solar/biosférico (3ª dimensão): os 365 dias do ano (anel solar) ordenados em 13 x 28 + 1, que produz uma ordem regular em nossa mente;
  2. Ordem sincrônica – ciclo galáctico (4ª dimensão): as 260 unidades do Tzolkin (matriz de tempo galáctica) – 13 x 20, que nos conecta com nossa multidimensionalidade, representada por um selo e um tom (kin) a cada dia.

Nesta vivência do tempo, cada ciclo nos entrega diferentes qualidades de informação que vão impregnando os diferentes aspectos de nossa existência.

Se tratarmos de perceber a energia que irradiam estes códigos, vamos recuperando nossa memória celular e despertando para a nossa missão na Terra.

O Sincronário de 13 luas/28 dias começa no dia 26 de julho, data do alinhamento de nosso Sol com a Estrela Sírius, no templo do Sol de Teotihuacán.

O dia 25 de Julho é chamado ‘Dia Fora do Tempo’ porque não pertence a nenhuma lua, é um dia festivo, cerimonial, no qual se fecha o ciclo solar celebrando a arte e a cultura planetária.

T(E) = Arte

Tempo fatorizado por Energia é igual a Arte

Plasmas Radiais

plasmas 300x157 - Bem Vindos ao Novo Tempo

No Sincronário de 13 luas, cada semana tem 7 dias.

O 7 é o poder da criação. 20 – 13 = 7.

7 cores do arco-íris, 7 dias da semana, 7 chacras principais em nosso corpo de energia.

Um símbolo cósmico chamado plasma radial para cada dia da semana.

Os Plasmas Radiais se definem como lubrificantes telepáticos interdimensionais e são as cargas elétricas sub-quânticas que fluem através de nossos chacras, representando os ‘tijolos’ básicos da criação universal.

eCurso28Dias completo.pdf Adobe Acrobat Reader DC 300x129 - Bem Vindos ao Novo Tempo
mês do sincronário

Os sete chacras principais, identificados com os 7 plasmas radiais se transformam nas 7 portas de acesso para a consciência solar. Para conseguir ingressar nesta frequência, se proponha um exercício que combina a prática de pranayamas, mantras e visualização diárias.

 

Conheça os 7 Plasmas

Cada plasma recebe um símbolo que o identifica com um dos 7 “Dias da Criação”, representados nos sete dias da semana.

Os três primeiros plasmas criam um quantum sensorial. Os três últimos plasmas criam um quantum telepático. O quarto plasma, que liga os três primeiros e os três últimos, é um plasma catalisador que transforma o quantum sensorial em quantum telepático.

O quantum sensorial diz respeito às percepções através dos órgãos dos sentidos, enquanto o quantum telepático diz respeito à capacidade do ser humano de receber e transmitir informações e conhecimentos mentais, independentemente do uso dos órgãos dos sentidos.

1 1 300x79 - Bem Vindos ao Novo Tempo

 2 2 300x77 - Bem Vindos ao Novo Tempo

 3 1 300x86 - Bem Vindos ao Novo Tempo

 4 1 300x87 - Bem Vindos ao Novo Tempo

5 1 300x89 - Bem Vindos ao Novo Tempo

6 1 300x89 - Bem Vindos ao Novo Tempo

7 1 300x89 - Bem Vindos ao Novo Tempo

Onda Encantada

A onda encantada é a unidade de medida fractal padrão. Neste termo, onda refere-se ao poder do movimento e, encantada, ao poder que a pessoa adquire estando em harmonia com a realidade. Assim, conhecer e percorrer uma onda encantada é demonstrar um aumento do poder autônomo por meio da identificação com o tempo da 4ª dimensão. A onda encantada é uma constante fractal de 13 unidades. As unidades são chamadas de tons porque a natureza da 4ª dimensão é puramente vibratória, espectral e sem peso. Portanto, cada tom representa uma sequência cosmológica distinta, que descreve um processo de criação contínua.

Como são ao todo 260 dias no Tzolkin, temos 20 Ondas Encantadas de treze dias (20 x 13 = 260) durante um ciclo do Tzolkin, cada uma caracterizada pelo nome de um Selo, que dá a ela um significado único.

A primeira é a Onda Encantada do Dragão Vermelho, afinal ele é o primeiro Selo da matriz e por isso deve iniciar uma Onda. Isso significa que, nos próximo 13 dias, todos estaremos imersos em sua Onda Encantada, vivendo por um propósito relacionado ao Dragão.

As Ondas Encantadas sempre iniciam quando estamos num dia representado por um Kin Magnético (primeiro tom) e duram até chegar a um Kin Cósmico (último tom). Elas percorrem todos os selos do Tzolkin, ou seja, temos a Onda Encantada do Dragão, a do Vento, a da Noite e assim por diante.

Para que serve a Onda Encantada

Além de ser mais um padrão de medida do tempo, a Onda Encantada é um instrumento que oferece informações e reflexões para o período em que estamos passando.

Cada um dos treze dias de uma Onda é caracterizado por um dos treze Tons Lunares. Durante esse período, o significado de cada tom e selo é refletido no dia atual. Por exemplo:

O primeiro dia de toda Onda Encantada irá definir o propósito dos próximos treze dias, isso acontece porque o tom número 1, o Tom Magnético, carrega a essência do Propósito.

Se estivermos na Onda Encantada do Dragão Vermelho (a primeira), temos o propósito do nascimento. Se estivermos no Vento Branco, temos o propósito da comunicação, e assim por diante.

Além disso, cada dia nos fornece uma reflexão específica que devemos mentalizar. Meditar sobre esses questionamentos diariamente é um ótimo exercício de sincronização.

Encontrando a sua Onda Encantada

Assim como cada um de nós possui um Kin que nos identifica com uma energia, todos nós fazemos parte de uma Onda Encantada específica, que corresponde ao período em que nascemos.

Para identificar a sua, basta encontrar o seu Kin na matriz do Tzolkin e percorrer o caminho contrário, voltando alguns números até chegar em um Kin com o tom Magnético. O Selo encontrado é o que caracteriza a sua Onda Encantada.

Se o seu Kin já for do Tom Magnético, significa que você dá início à sua Onda Encantada, e o propósito dos próximos 13 dias está voltado à energia do seu Selo.

Interpretando a Onda Encantada

A Onda Encantada é um sistema de medida de um período de treze dias. Cada um desses dias é caracterizado por um dos treze tons lunares, que dão uma forma de expressão à energia do Selo do dia em questão.

Ao analisarmos todos esse elementos, podemos criar um modelo de interpretação. Esse modelo pode ser usado para interpretar o período em que vivemos (e como lidar com ele) ou então o período em que nascemos (e como isso afeta nossa vida).

O primeiro passo para interpretar uma Onda Encantada é encarar os seus treze dias como se fossem um mês completo, e cada um desses dias nos apresentará uma energia que será manifestada de uma forma específica.

Observe abaixo a estrutura de uma Onda Encantada, com 13 dias:

onda 300x300 - Bem Vindos ao Novo Tempo
Diagrama Onda Encantada

José Argüelles, Valum Votan

José Argüelles nasceu em 24 de janeiro de 1939, no estado de Minnesota nos Estados Unidos. Viveu no México até seus cinco anos juntamente com seu irmão gêmeo, seu pai e sua mãe.

Dedicou grande parte da sua vida para despertar a consciência da humanidade para a importância do ano de 2012, uma data cheia de significados provindos da sabedoria do sistema dos calendários maia.

Seu livro mais vendido, “O Fator Maia” (1987), revela a mudança galáctica do tempo que o nosso mundo atravessa no ano de 2012, de acordo com os ciclos propostos pelos maias há milhares de anos.

Seu amor pela arte e pela cultura o inspiraram o seu doutorado em História da Arte na Universidade de Chicago, em 1969. Foi autor de numerosos ensaios culturais e filosóficos, bem como poesias, e também exerceu atividades como pintor e ilustrador, sendo o responsável pela criação dos desenhos de vários de seus livros.

Argüelles é um ativista pela arte e pela transformação da consciência planetária. Em março de 1968, co-organizou o Evento da Transformação, em Nova Iorque. É co-fundador, juntamente com sua esposa Lloydine, da Rede de Arte Planetária (Planet Art Network), que se espalhou por mais de 90 países ao redor do mundo, promovendo a arte como o fundamento para a pa global.

Inspirado pelas informações proféticas recebidas de Tony Shearer em 1970, José Argüelles destilou seu estudo das matemáticas e profecias do Calendário Maia no que chamou de Convergência Harmônica (1987). Esse evento comemorou o último dia do ciclo de “Treze Céus e Nove Infernos”, profetizado pelo Quetzalcoatl.

Fez grandes contribuições para as pesquisas relacionadas ao I Ching, e estudou e praticou o budismo tibetano por muitos anos com seu mestre de meditação e artista Chögyam Trungpa Rinpoche.

Seu trabalho mais notável é o trabalho pioneira na investigação da matemática do Calendário Maia. Uma experiência visionária aos seus quatorze anos, no México, o inspirou para estudar durante toda a vida esse sistema complexo de profecias e cálculos. Sua decodificação desses mistérios resultaram no que conhecemos hoje como a Lei do Tempo (1989).

De acordo com a Lei do Tempo, a humanidade moderna está em crise pois está imersa numa percepção equivocada e artificial do tempo, causando uma dissonância entre nós humanos e a ordem natural do universo. Para consertar essa situação, Argüelles promoveu o Calendário de 13 Luas de 28 Dias, uma medida de tempo natural e regular.

Sabendo que os maias usavam mais de 17 calendários ao mesmo tempo (e depois de experimentar cada um deles), ele descobriu que o calendário de 13 luas era mais do que um calendário, mas sim a chave que poderia sincronizar qualquer outro sistema de medição temporal.

Desde 1992 até 2011, José Argüelles promoveu e organizou anualmente, no dia 25 de julho, o Dia Fora do Tempo ao redor do mundo, inspirando meditações coletivas. Ele também viajou pelo mundo dando inúmeras palestras e seminários promovendo a mudança do paradigma “Tempo é Dinheiro” para “Tempo é Arte”.

José Argüelles faleceu em 23 de março de 2011 (9.17, Kin 89) às 6:10 da manhã, no mesmo horário de seu nascimento, e precisamente 1.328 anos depois do falecimento de Pacal Votan (683)

jose arguelles 300x169 - Bem Vindos ao Novo Tempo